8aad1c6c34"; O que fazer no Cairo: Pirâmides de Gizé, Múmias, Mesquitas e Mais
nocomments

O que fazer no Cairo: Pirâmides de Gizé, Múmias, Mesquitas e Mais

Certamente, o Cairo, uma das megacidades mais emblemáticas do mundo, é um destino que cativa os viajantes com sua rica história, cultura vibrante e vida urbana pulsante.

Além disso, aninhada nas margens do majestoso rio Nilo, a capital do Egito oferece uma jornada pela antiguidade e modernidade, com suas mesquitas imponentes, bazares animados, monumentos icônicos e uma atmosfera que mistura tradição e inovação.

Seja explorando as imponentes Pirâmides de Gizé, mergulhando na autenticidade das ruas da Cidade Velha ou maravilhando-se com a arte e a arquitetura islâmica, o Cairo é um destino de contrastes fascinantes.

Através de suas ruas movimentadas e becos históricos, os visitantes podem mergulhar nas maravilhas da antiga civilização egípcia enquanto testemunham o ritmo moderno de uma cidade em constante evolução.

1. Maravilhe-se com as Pirâmides de Gizé

O Que Fazer No Cairo

As Pirâmides de Gizé são uma das atrações mais fascinantes do Cairo, oferecendo uma experiência incomparável para os visitantes. Situadas no Planalto de Gizé, esses magníficos templos funerários da quarta dinastia têm impressionado e intrigado viajantes ao longo dos tempos, permanecendo como um dos destaques mais significativos do Egito. Apesar das condições climáticas desafiadoras e do burburinho turístico, explorar essas pirâmides é uma jornada emocionante.

Pirâmide de Quéops: Um Monumento Imponente

A Pirâmide de Quéops, também conhecida como a Grande Pirâmide ou Pirâmide de Khufu, é a mais imponente do complexo de Gizé. Seu interior, com passagens estreitas e uma câmara de túmulo contendo um sarcófago vazio, oferece um vislumbre intrigante da arquitetura e cultura antigas. Embora seu propósito permaneça envolto em mistério, a grandiosidade dessa estrutura é inegável.

Descubra a Pirâmide de Quéfren e a Pirâmide de Mycerinus

No mesmo planalto, você encontrará a Pirâmide de Quéfren, também chamada de Pirâmide de Khefre, que possui um túnel interno acessível, proporcionando aos visitantes a oportunidade de explorar seu interior. Próxima a ela está a menor Pirâmide de Mycerinus, também conhecida como Pirâmide de Menkaure, que complementa a paisagem majestosa do local.

A Enigmática Esfinge

O Que Fazer No Cairo

Além das pirâmides, a Esfinge surge como uma figura enigmática e icônica no Planalto de Gizé. Com o corpo de um leão e o rosto de um faraó, essa escultura monumental evoca mistério e reverência, desafiando os visitantes a contemplar a história e os segredos que ela guarda.

Uma Atração em Evolução

À medida que a história continua a ser desvendada e novas descobertas são feitas, o Planalto de Gizé está se preparando para receber uma adição empolgante: o Grande Museu Egípcio (GEM). Com sua inauguração iminente, essa atração promete enriquecer ainda mais a experiência dos visitantes, oferecendo uma perspectiva aprofundada da rica herança do Egito antigo.

Explorar as Pirâmides de Gizé é uma jornada única pelo passado, permitindo que os visitantes se conectem com a grandiosidade da civilização egípcia e admirem a impressionante realização arquitetônica que perdura até os dias de hoje.

2. Veja uma das grandes coleções do mundo no Museu Egípcio

O Que Fazer No Cairo

O Museu Egípcio no Cairo abriga uma coleção verdadeiramente deslumbrante de antiguidades que o coloca entre os principais museus do mundo. Seu notável acervo é uma rica janela para a história egípcia, que leva os visitantes a uma jornada através do tempo e da cultura. Fundado em 1857 por August Mariette, um egiptólogo francês renomado, o museu encontrou sua morada atual na distinta mansão rosa no centro do Cairo em 1897.

Embora o museu seja conhecido por sua coleção notável, vale mencionar que, devido a limitações de espaço, muitos itens não estão devidamente rotulados ou organizados. Apesar disso, a grandiosidade das exposições é inegável e deixa uma impressão duradoura nos visitantes. O museu também está passando por uma fase de transição devido à preparação para a inauguração do Novo Grande Museu Egípcio (GEM), onde algumas das exposições serão realocadas.

Uma das áreas mais célebres do Museu Egípcio é a Galeria Tutankhamun, que abriga um tesouro de artefatos preciosos encontrados no túmulo do jovem faraó Tutancâmon. As impressionantes descobertas da tumba, incluindo a famosa máscara mortuária e sarcófagos, oferecem um vislumbre íntimo da vida e da cultura do antigo Egito. A coleção de joias egípcias é igualmente deslumbrante e exibe um brilho e um glamour que raramente são vistos.

Enquanto aguardamos a inauguração do Novo GEM, o Museu Egípcio continua a ser uma janela cativante para a rica herança faraônica. Se você está curioso para explorar a história e a arte do Egito antigo, este museu é uma visita obrigatória. Localizado ao lado da praça central do Cairo, o Midan Tahrir, é facilmente acessível por meio do metrô do Cairo, estação Sadat. Prepare-se para uma experiência única enquanto mergulha nas profundezas da história egípcia no Museu Egípcio.

3. Admire a Mesquita Al-Azhar

O Que Fazer No Cairo

A Mesquita Al-Azhar é um tesouro arquitetônico que remonta à era fatímida do Cairo, representando uma das joias mais antigas e significativas da cidade. Sua construção foi concluída em 972 d.C., e seu esplendor e história a tornam uma das mesquitas mais emblemáticas do mundo islâmico. Além de seu impacto arquitetônico, a Mesquita Al-Azhar também desempenhou um papel crucial na disseminação do conhecimento, pois foi concedido o status de universidade em 988 d.C., tornando-se um dos principais centros teológicos globais.

O Portão dos Barbeiros, localizado no lado noroeste da mesquita e adjacente à impressionante fachada neoárabe construída por Abbas II, serve como a entrada principal. Ao adentrar, é costume deixar os sapatos e avançar em direção ao pátio central. À direita, você encontrará o El-Taibarsiya Medrese, um espaço com um mihrab (nicho de oração) datado de 1309.

Do pátio central, uma vista panorâmica dos cinco minaretes da mesquita se desenha diante dos visitantes, adornando majestosamente o edifício. No lado oposto do pátio, o salão principal de oração se estende, abrangendo uma área imensa de 3.000 metros quadrados. Enquanto a metade da frente do salão faz parte da estrutura original, a metade posterior foi adicionada posteriormente por Abd el-Rahman.

A localização estratégica da Mesquita Al-Azhar, no coração do bairro islâmico do Cairo, facilita sua visita. É possível chegar facilmente de táxi, e a rua Al-Azhar, que percorre a região leste de Midan Ataba até a praça onde a mesquita se ergue, proporciona uma conexão direta com essa relíquia histórica e cultural.

4. Explore a história copta no Cairo antigo

O Que Fazer No Cairo

Dentro das antigas muralhas da histórica Babilônia, encontra-se um encantador conjunto de vielas repletas de igrejas, conhecido como Cairo Copta. Este distrito carrega uma herança rica e remonta a tempos antigos, quando o imperador romano Trajano ergueu uma fortaleza às margens do Nilo. Partes das imponentes torres romanas ainda dominam a rua principal, um testemunho vivo do passado.

Uma das principais atrações deste local é o Museu Copta, que abriga uma coleção abrangente de artefatos e informações que lançam luz sobre o início do cristianismo no Egito. Esta coleção apresenta um vislumbre intrigante do período cristão inicial e é famosa por abrigar algumas das melhores obras de arte copta do Egito. Ao lado, a Igreja Suspensa do século 9 exibe uma notável arquitetura copta e oferece um vislumbre encantador dessa época.

A Igreja de São Sérgio e Baco é outro ponto de destaque nesta região. Segundo a lenda local, essa igreja serviu de refúgio à Virgem Maria, ao menino Jesus e à família durante o massacre de bebês do sexo masculino ordenado pelo rei Herodes. À medida que você explora ainda mais o bairro, chegará à Sinagoga Ben Ezra, que se diz ter sido construída perto do local onde o bebê Moisés foi encontrado entre os juncos.

Além disso, no perímetro do bairro, encontra-se a icônica Mesquita de Amr Ibn al-As, considerada a primeira mesquita construída no Egito. Essa mesquita histórica é um testemunho da diversidade cultural e religiosa do Cairo antigo.

Para chegar ao Cairo Copta, a maneira mais conveniente é pegar o metrô do Cairo e desembarcar na estação Mar Girgis, que proporciona acesso direto a essa fascinante parte da cidade enraizada na história copta.

5. Passe algum tempo explorando Saqqara & Dahshur

Uma experiência enriquecedora aguarda você ao explorar a vasta necrópole de Saqqara e os arredores de Dahshur. Esses locais abrigam as famosas “outras pirâmides”, oferecendo uma perspectiva única e gratificante que rivaliza com a grandiosidade das pirâmides de Gizé. Situados a aproximadamente 30 quilômetros ao sul do Cairo, eles são um verdadeiro tesouro histórico.

A Pirâmide do Passo é a atração turística mais destacada em Saqqara, porém, toda a região é um verdadeiro tesouro de túmulos ricamente adornados, merecendo algumas horas de exploração dedicada. Entre os destaques, o Serapeum é um local imperdível, sendo o local de descanso final para as múmias dos reverenciados touros sagrados Apis. Além disso, a Mastaba de Ti é uma jóia a ser admirada, com suas paredes ricamente pintadas que contam histórias detalhadas e coloridas.

Saqqara é vasta em tamanho e rica em história como um antigo local de sepultamento. As contínuas escavações aqui continuam a desenterrar descobertas que ecoam em manchetes ao redor do mundo, revelando novos insights sobre a rica herança do Egito.

A pouca distância dali, você encontrará a Pirâmide Vermelha de Dahshur e a intrigante Pirâmide Curvada. Esses monumentos imperdíveis são testemunhas eloquentes da habilidade e engenho da antiga civilização egípcia. Mesmo que opte por uma visita mais breve, saiba que dedicar ao menos meio dia a essa exploração é um investimento que será ricamente recompensado.

6. Veja as Múmias Reais no NMEC

Uma experiência fascinante aguarda você no Museu Nacional das Civilizações Egípcias (NMEC), que se diferencia dos outros grandes museus do Cairo ao contar a rica história da humanidade do Egito sob um mesmo teto. Desde a sua abertura parcial em 2017, o NMEC tem vindo a construir gradualmente suas exposições, oferecendo aos visitantes uma perspectiva abrangente e envolvente.

A joia da coroa deste museu foi acrescentada em abril de 2020, quando a Royal Mummies Collection encontrou seu novo lar permanente aqui. Embora a coleção completa do museu ainda esteja em desenvolvimento, este é agora o local de peregrinação para ver as múmias faraônicas mais icônicas do Egito. Nomes como Ramsés II e III, Hatshepsut, Amenhotep I, e Seti I e II ganham vida mais uma vez, estando entre as 22 múmias notáveis que são exibidas com grande cuidado e respeito em uma Galeria de Múmias Reais especialmente concebida.

O NMEC está estrategicamente localizado em Fustat, oferecendo uma combinação perfeita com uma visita ao encantador Cairo Velho (Cairo copta). A apenas uma curta caminhada de três quilômetros das imponentes igrejas coptas do Cairo, ou uma curta viagem de táxi, o museu é facilmente acessível, permitindo que você mergulhe profundamente na história fascinante do Egito enquanto explora suas múmias reais e muito mais.

7. Faça compras em meio ao labirinto de Khan el-Khalili

Uma experiência de compras verdadeiramente única aguarda você no icônico Khan el-Khalili, um souq (mercado) que é uma verdadeira maravilha labiríntica e uma das grandes atrações comerciais do mundo. Desde sua fundação como distrito comercial no longínquo ano de 1400 d.C., este labirinto de becos estreitos continua a encantar os visitantes com sua riqueza de ofertas e tradições.

Embora as ruas principais tenham se tornado um centro de comércio turístico ao longo dos anos, com uma infinidade de lembranças, papiros baratos e pirâmides de plástico em exibição, os verdadeiros tesouros deste local estão escondidos nos becos circundantes. Nesses cantos, você encontrará pequenas lojas e oficinas desordenadas, cada uma oferecendo uma variedade de produtos tradicionais do Egito, desde antiguidades fascinantes até abajures artesanais em metal e tecidos locais deslumbrantes.

Uma parada obrigatória é no lendário café Fishawis, uma verdadeira instituição do Cairo. Aqui, você pode saborear o autêntico café árabe xarope e o chá doce, imerso na energia acelerada do ambiente, onde turistas e comerciantes locais se misturam em uma atmosfera animada.

Para os ávidos compradores, a rua principal do souq é a Rua Al-Muski (conhecida como Rua Gawhar al-Qaid em sua extremidade leste). As oficinas de ourivesaria e joalharia estão predominantemente situadas ao norte do cruzamento desta rua com a Al-Muizz Li-Din Allah Street, enquanto a seção de especiarias do mercado se estende ao sul. O souq é delimitado ao leste pela impressionante Mesquita Sayyidna el-Huseein, uma estrutura construída em 1792 para honrar o neto do profeta Maomé.

A entrada mais conveniente para a área de Khan el-Khalili é a partir da Rua Al-Azhar, do outro lado da rua da majestosa Mesquita Al-Azhar. Prepare-se para uma aventura de compras única, imersa na rica tradição e no ambiente animado deste histórico souq cairota.

8. Obtenha vistas sobre a cidade na cidadela

Fonte: Pexels

Uma experiência inigualável aguarda você na majestosa Cidadela do Cairo, uma fortaleza imponente construída por Saladino em 1176 no sopé das colinas de Mokattam. Embora a estrutura original estabelecida por Saladino não exista mais, as paredes externas orientais permanecem como testemunhas silenciosas de sua grandeza. Ao longo dos séculos, diversos governantes contribuíram com suas próprias adições a este local histórico.

O monumento mais ilustre da Cidadela é a deslumbrante Mesquita de Muhammad Ali, carinhosamente apelidada de “Mesquita Alabaster”. Seus minaretes esbeltos e elegantemente esculpidos, feitos de pedra branca, erguem-se em direção ao céu, formando um dos ícones mais marcantes do Cairo. A mesquita é uma obra-prima arquitetônica e oferece uma visão deslumbrante da dedicação artística e espiritual dos que a construíram.

Além da beleza da Mesquita de Muhammad Ali, a Cidadela também brinda os visitantes com vistas panorâmicas impressionantes da cidade. Dirija-se ao Terraço Gawhara para admirar um panorama de tirar o fôlego do Cairo, capturando sua essência vibrante e as várias nuances de sua paisagem urbana.

Na parte nordeste da cidadela, você encontrará a elegante Mesquita El-Nasir, uma construção que data de 1318-35, encomendada por Mohammed el-Nasir. Enquanto explora o local, você pode deparar-se com uma coleção de museus, como o Museu da Polícia, o Museu Militar Nacional e o Museu das Carruagens. Embora os museus em si possam ser considerados de importância secundária, vale a pena admirar a arquitetura majestosa dos edifícios que os abrigam.

Se você estiver sentindo a energia, considere uma caminhada até a área da cidadela a partir de Bab Zuweila, seguindo pela Rua Khayyamiyya. Essa caminhada de aproximadamente 30 minutos proporcionará uma experiência enriquecedora, permitindo que você absorva a atmosfera envolvente da cidade e aprecie a grandiosidade da Cidadela do Cairo.

9. Admire a arquitetura mameluca na mesquita do sultão Hassan

O Que Fazer No Cairo

Uma joia deslumbrante de arquitetura mameluca, a Mesquita do Sultão Hassan é um testemunho magnífico da maestria islâmica, exibindo detalhes de estalactites intricados e ornamentações arabescas deslumbrantes. Sua construção, realizada entre 1356 e 1363, foi encomendada pelo sultão Hassan el-Nasir, resultando em um edifício notável que encapsula a rica herança da arte islâmica.

Ao se aproximar da mesquita, seus olhos serão atraídos pela imponente porta principal, situada no canto norte, que se eleva majestosamente a uma altura de quase 26 metros. O minarete localizado no canto sul é uma maravilha em si, sendo o mais alto do Cairo, atingindo uma impressionante altura de 81,5 metros.

A entrada pela porta principal revela um vestíbulo abobadado, conduzindo a uma pequena antecâmara e a um corredor que leva ao pátio amplo e ornamentado, onde uma fonte de ablução ocupa o centro da cena. A partir desse ponto, uma porta de ferro conduz ao mausoléu do sultão, onde as intrincadas estalactites da cúpula original ainda adornam o espaço. No centro da câmara repousa o sarcófago simples que abriga os restos do sultão.

Diante da Mesquita do Sultão Hassan, surge a esplêndida Mesquita El-Rifai, erguida em 1912 para abrigar o túmulo do Khedive Ismail. Esta mesquita foi projetada com a intenção de emular a grandeza de sua antecessora, a Mesquita do Sultão Hassan. Notavelmente, o ex-xá do Irã, Mohammed Reza Pahlavi (1919-1980), também repousa em paz neste local sagrado.

Essas duas mesquitas magníficas são pontos de destaque no cenário de Midan Salah ad-Din, posicionadas logo abaixo da impressionante Cidadela do Cairo. A visita a esses locais oferece uma visão cativante da arquitetura mameluca e da história rica e diversificada da região.

11. Suba até o Telhado de Bab Zuweila

Dentre todos os portões que guarnecem o cenário do bairro histórico do Cairo, Bab Zuweila desponta como o mais cativante. Datado do século XI, este portão medieval ostenta uma notável aura de interesse, merecedora de sua atenção.

Prepare-se para uma experiência singular, pois você terá a oportunidade de ascender ao cume desta joia histórica. O topo desta relíquia, situada na encruzilhada do tempo, concede-lhe vistas deslumbrantes desde o telhado, abarcando todo o bairro com uma perspectiva única e memorável.

Este portão ostenta uma presença impressionante, contando com a grandiosidade de dois minaretes. Um testemunho sobrevivente da era medieval, Bab Zuweila é o último portão remanescente ao sul da cidade antiga, erguendo-se como uma testemunha silente das eras passadas.

Adjacente a esse magnífico portão, a luminosa alvura e o vermelho sóbrio da Mesquita Sheikh al-Mu’ayyad revelam-se em todo seu esplendor. Em apenas alguns passos, você alcançará as intrigantes bancas de artesanato da Rua dos Fabricantes de Tendas. Nesse recanto fascinante, o vibrante tecido egípcio, tão intrinsecamente entrelaçado com casamentos e ocasiões especiais, é comercializado em abundância, oferecendo uma visão vívida da riqueza cultural do Egito.

12. Passeio Pela Al-Muizz li-Din Allah Street

Desbrave com serenidade a nobre Al-Muizz li-Din Allah Street, cujo setor norte se encontra abraçado por magníficas edificações de origem mameluca, habilmente restauradas à sua fulgente glória ancestral.

A Madrassa de as-Salih Ayyub, erigida com esmero em 1247, se destaca como um exemplar eloquente da serenidade inerente à arquitetura islâmica. Ao atravessar a via em relação a esta madrassa, você se deparará com a Madrassa de Qalaun, uma verdadeira joia arquitetônica do período mameluco, cuja reputação é merecidamente exaltada. Concebida e concluída em 1293, sob o patrocínio de Muhammad al-Nasir, filho de Qalaun, esta obra-prima ostenta um interior ricamente adornado com intricados azulejos, mármore de requinte, mosaicos de madrepérola e vitrais que irradia uma luminosidade sublime. Além de seu propósito educativo, a Madrassa de Qalaun também desempenhou o papel de hospital na época de sua inauguração.

Continuando rumo ao norte, você encontrará a Madrassa mais recente, an-Nasr Mohammed, datando de 1309, que ostenta ornamentações minuciosamente elaboradas, proporcionando uma apreciação detalhada antes de culminar sua jornada no fabuloso Museu Têxtil Egípcio. Nesse reduto magnífico, uma coleção eclética se desdobra, abrangendo desde a era faraônica até o período islâmico, testemunhando a riqueza e diversidade do legado têxtil do Egito.

13. Peregrinação à Mesquita Ibn Tulun

O Que Fazer No Cairo

A Mesquita Ibn Tulun, joia ancestral que persiste erguida com nobreza no Cairo, resplandece como a segunda mesquita mais antiga que brinda a cidade com sua presença. O governador abássida Ahmed Ibn Tulun, ilustre artífice de sua concepção, orquestrou sua edificação entre os anos 876 e 879 d.C.

Nessa era inaugural, sua grandiosidade era insuperável, ostentando o título de maior mesquita então existente. Os corredores colunados da corte principal testemunham a passagem do tempo através de fragmentos resplandecentes de frisos intricadamente esculpidos, que se exibem orgulhosamente, desvendando uma história entrelaçada com artes minuciosamente trabalhadas.

A corte central, em suas dimensões estreitas e imponentes, conduz a uma série de salões que se alinham em harmonia. No lado meridional desta mesquita de veneração, o salão de oração principal perdura, resguardando fragmentos da ornamentação primordial, concebida em estuque esculpido e madeira. Aqui, o mihrab, guia sagrado na direção da oração, preserva relíquias de seu mosaico dourado original, reverberando a magnificência de outrora.

Ao norte, o minarete de 40 metros de altura ergue-se com majestade, emoldurando a entrada com sua graciosa arcada em ferradura. Uma espiral ascendente desenha a escadaria interior, inspirada nos minaretes da Grande Mesquita de Samarra, situada nas margens do rio Tigre.

Caso se aventure a subir os 173 degraus até sua plataforma superior, será recompensado com panoramas soberbos que se estendem sobre o mosaico urbano ao norte e contemplam as majestosas colinas Mokattam a leste.

A jornada da Mesquita do Sultão Hassan à Mesquita Ibn Tulun é uma caminhada singela pela Rua Al-Saliba, uma passagem que conduz a um encontro ímpar com o passado glorioso desta jóia arquitetônica.

14. Repouso Sereno no Verdor do Parque Al-Azhar

Erguido sobre o que um dia foi um depósito medieval de detritos, o Parque Al-Azhar emana como um oásis verdejante no seio do bairro histórico do Cairo, oferecendo um refúgio bem-vindo da agitação caótica que caracteriza as vias urbanas desta metrópole milenar.

Seu nascimento data de 2005, quando se ergueu como uma benção à cidade, proporcionando um alívio tão necessário ao frenesi esmagador das ruas cairotes. Ao adentrar suas fronteiras, a visão se delicia com jardins exuberantemente mantidos, entrelaçados por caminhos convidativos, um convite para passeios serenos sob o manto noturno. As horas de crepúsculo resplandecem com vistas panorâmicas sobre a cidade antiga, presenteando os espectadores com a majestosa despedida do sol.

Aqui, onde a natureza se une à arquitetura humana, alguns restaurantes se escondem, proporcionando um recanto perfeito para descansar após um dia repleto de explorações. Nos fins de semana, o parque acolhe famílias locais que fogem do tumulto sonoro do tráfego, criando um ambiente de serenidade partilhada.

Para alcançar esse retiro, a opção mais prática é recorrer a um táxi. Contudo, se já estiver imerso nas maravilhas do bairro histórico do Cairo e a temperatura se mostrar amena, pode virar para leste na Rua Darb al-Ahmar de Bab Zuweila e empreender uma caminhada até a entrada inferior do parque. Assim, o Parque Al-Azhar se revela como um oásis rejuvenescedor, um regalo para o espírito em busca de tranquilidade.

15. Exploração do Distrito Insular de Zamalek: Uma Jornada Cultural

Na ilha de Gezira, um oásis nas águas do Nilo, repousa o pitoresco distrito de Zamalek, uma joia urbana que abriga as boutiques artísticas e os restaurantes cosmopolitas que conferem ao Cairo um toque contemporâneo e elegante. Com suas raízes traçadas até meados do século XIX, a atmosfera de Zamalek é marcada por uma herança europeia, refletida nas arquiteturas e na exuberância de seus traços.

O cenário se desenrola como uma tela pintada com a influência da Belle Époque, onde a majestade das mansões ostentosas e avenidas arborizadas evocam uma aura singular. Em meio a essas estradas espaçosas, muitas das quais agora acomodam embaixadas, uma sensação de serenidade cosmopolita envolve o visitante.

Zamalek se destaca como um paraíso culinário no Cairo, onde se encontram os paladares mais sofisticados da cidade. Além disso, galerias de arte pontilham a paisagem, convidando os apreciadores a desbravarem a riqueza criativa dessa região. No coração da feira de Gezira, repousa o Museu de Arte Moderna Egípcia, um santuário da expressão artística do século XX. As obras de ilustres nomes como Mahmoud Said e Mahmoud Mukhtar encontram sua morada aqui, testemunhando o brilho da alma egípcia manifestada em pigmentos e formas.

Museu Mahmoud Mukhtar

À proximidade, diante da grandiosa Ópera do Cairo, emerge o Museu Mahmoud Mukhtar, recentemente reaberto, onde as esculturas desse renomado artista encontram seu espaço de destaque. Até mesmo aqueles que não nutrem uma paixão específica pela arte podem encontrar encanto no Palácio Aisha Fahmy, situado próximo à Sharia 26 de Julho. Erguida em 1907, essa mansão primorosamente restaurada é em si uma obra de arte, com interiores rococós que rivalizam com suas exposições rotativas.

Ao explorar o sul de Gezira, a exuberante vegetação do Gezira Sports Club se desenrola, abraçando suas quadras de tênis e estábulos exclusivos. Elevando-se acima deste cenário, a Torre do Cairo, uma estrutura majestosa de 187 metros, erguida em 1961 pelo presidente Nasser, ergue-se imponente. O convite a uma viagem ao seu mirante, sob o crepúsculo do sol, oferece uma experiência imperdível, permitindo que a cidade se desnude gradualmente na penumbra, em um espetáculo visual que transcende o tempo.

16. O Encanto do Nilômetro do Cairo na Ilha Roda

Na pitoresca Ilha Roda, situada ao sul da Ilha Gezira, um tesouro histórico aguarda a sua exploração: o Palácio Monastirli, outrora residência de um influente pasha otomano.

Os jardins do palácio guardam um tesouro ainda mais fascinante no extremo sul da ilha: o Nilômetro do Cairo, uma maravilha arquitetônica que serviu como medição crucial para decifrar os fluxos e refluxos do lendário rio Nilo. Por séculos, este Nilômetro previu as iminentes alturas anuais das enchentes, desempenhando um papel vital na vida dos antigos egípcios.

Ao contrário de seus predecessores encontrados no Alto Egito, este Nilômetro, erguido em 861 EC, é uma construção de época mais recente, mas não menos impressionante em sua engenhosidade. Seus vestígios constituem um testemunho vívido do engenho humano em sintonia com a natureza.

Entre os jardins, encontra-se um refúgio dedicado à memória da icônica cantora egípcia, Umm Khalthum. O pequeno, porém notável, Museu Umm Khalthum abriga este recanto e celebra a vida e o legado da diva. Os elaborados trajes de palco da artista, exibidos com destaque, cativam o olhar e narram uma história de grandiosidade artística.

Para além das riquezas do palácio, as ruas da Ilha Roda oferecem uma jornada pitoresca, repleta de arquitetura majestosa em ruínas do início do século XX. Cada passo é uma viagem através do tempo, testemunhando a passagem das eras em cada pedra e fachada.

Explorar o Nilômetro e o Museu Umm Khalthum na Ilha Roda é uma imersão na rica história egípcia, um mergulho na grandeza de suas águas e na harmonia entre o homem e o Nilo.

17. Esplendor Reavivado: O Palácio Manyal

Às margens do extremo norte da Ilha Roda, repousa o deslumbrante Palácio Manyal, um verdadeiro tesouro arquitetônico. Após meticulosa restauração, que demandou vários anos de dedicação, este magnífico edifício reabriu suas portas ao público, convidando a todos para uma jornada deslumbrante pelo tempo.

A arquitetura do Palácio Manyal é um verdadeiro tour de force, um amálgama intrigante de influências que transitam entre os desenhos árabes tradicionais e os palacetes europeus. O resultado é uma sinfonia visual de luxo e sofisticação que ecoa em cada canto dos interiores.

O Palácio da Recepção acolhia os convidados e apresenta tetos de madeira ricamente esculpidos, que parecem narrar histórias próprias. Admire a atenção aos detalhes enquanto você explora cada centímetro deste local, imerso em uma elegância intemporal.

A experiência se desenrola no Palácio Residencial, onde os toques rococós e os trabalhos em azulejos no estilo otomano se entrelaçam em uma dança harmoniosa de estilos contrastantes. Pinturas a óleo adornam as paredes, trazendo à vida retratos do passado em uma paleta de cores rica e vibrante.

Contudo, é o Palácio do Trono que rouba o cenário, um salão exuberante decorado em tonalidades douradas. Este é o ápice do esplendor aqui, uma afirmação majestosa da grandiosidade que permeia cada faceta do palácio.

Datando do início do século XX, este complexo majestoso, erigido pelo tio do rei Farouk, assentando-se entre jardins exuberantes à beira da ilha. Ao explorar o Palácio Manyal, você será imerso em uma era de elegância opulenta, um testemunho do poder do design e da visão artística.

18. Aventura Al-Fayoum: Uma Jornada pela Beleza Natural e História

O Que Fazer No Cairo

Apenas a 112 quilômetros ao sul do Cairo, um mundo de maravilhas espera em Al-Fayoum, um refúgio perfeito para um dia de exploração além das fronteiras urbanas. Apenas a duas horas de carro, você será imerso em uma paisagem rica em beleza natural e repleta de locais históricos intrigantes.

Para os amantes da natureza, o Lago Qarun e o Wadi Rayyan são destinos imperdíveis. Envolva-se na tranquilidade do ambiente enquanto observa a avifauna local, com os majestosos flamingos sendo uma atração cativante. Se o seu desejo é estender a sua estadia, a vila de Túnis, um reduto de artistas, oferece a oportunidade de adquirir algumas das melhores cerâmicas do Egito.

Os entusiastas da história encontrarão fascínio nas atrações históricas de Al-Fayoum. As ruínas de Medinet Madi abrigam um templo que remonta ao Império do Meio, um testemunho impressionante do passado. Pequenas pirâmides pontilham a paisagem, com as Pirâmides de Meidum e Hawara merecendo destaque.

No entanto, o pináculo da sua jornada deve ser o impressionante Vale de Wadi Al-Hittan, um local de importância internacional reconhecido pela UNESCO. Aqui, você será transportado para um cenário pré-histórico, onde esqueletos de basilossaurus e dorodonídeos – baleias ancestrais de 40 milhões de anos – se revelam em toda a sua grandiosidade. É uma viagem ao passado profundo da Terra, uma chance de testemunhar a evolução do mundo que nos cerca.

Assim, embarque nesta aventura para Al-Fayoum e descubra uma combinação única de beleza natural e tesouros históricos, tudo dentro do alcance de um único dia de exploração a partir da agitação do Cairo.

19. A Intrigante Mesquita de Al-Hakim: Um Glimpse no Reinado Fascinante

A história do califa Al-Hakim do Egito é um relato cativante de um líder com um domínio tanto curioso quanto implacável. Seu governo fatímida é permeado por contos de assassinatos frequentes entre seus próprios funcionários da corte e patrulhas noturnas disfarçado pelas ruas de sua cidade, montado em um burro, para garantir a obediência de seus súditos. Suas decisões muitas vezes bizarras, como a proibição do consumo da folha de malva egípcia conhecida como molokheya, acrescentaram uma camada extra de mistério à sua figura.

A Mesquita de Al-Hakim, concluída em 1013 d.C., é um testemunho duradouro de seu reinado. Ao longo dos séculos, essa estrutura multifacetada serviu como uma madrassa, fortaleza cruzada e até mesmo um hospital psiquiátrico, antes de passar por uma restauração completa na década de 1980. No entanto, os minaretes se destacam como um dos elementos arquitetônicos mais fascinantes. Sua evolução é notável, com a transformação de redondos para um formato quadrado, e suas seções superiores abobadadas lembrando um queimador de incenso árabe – uma mudança que ocorreu após um terremoto em 1303.

A mesquita está situada estrategicamente entre dois portões históricos de grande importância. O Bab el-Futuh (Portão das Conquistas) a oeste e o Bab el-Nasr (Portão da Vitória) a leste, ambos construídos em 1087, possuem semelhanças de forma com os antigos portões da cidade romana.

Para aqueles que desejam explorar, caminhar entre a Mesquita Al-Azhar e a Mesquita de Al-Hakim é uma oportunidade de seguir os passos do passado. A Rua Al-Mu’izz li-Din Allah o levará ao norte, onde você poderá se perder nas histórias que ecoam pelas ruas antigas e nas paredes imponentes da intrigante Mesquita de Al-Hakim.

20. Uma Jornada pela Arquitetura da Belle Époque no Centro do Cairo

Ao explorar o centro do Cairo, você terá a oportunidade de fazer uma viagem no tempo e capturar a aura da cidade do final do século 19, quando ela ganhou o apelido de “Paris do Oriente”. Enquanto caminha pelas ruas movimentadas, desvie o olhar do escapamento dos carros e concentre-se nas majestosas fachadas enegrecidas dos edifícios que contam a história da Belle Époque egípcia.

A área inteira se tornou um tesouro repleto de edifícios deslumbrantes, mesmo que em estado de ruína, que certamente pareciam extremamente glamourosos quando foram erguidos. Entre os exemplares mais notáveis dessa época estão os edifícios ao redor de Midan Talaat Harb, onde você pode encontrar algumas das melhores fachadas recentemente restauradas.

Dirigindo-se para o extremo oeste do centro da cidade, na rua Al-Gumphuriya, você descobrirá o impressionante Palácio Abdin, um tesouro do século 19 que já serviu como residência dos últimos quedivas do Egito. Atualmente, os antigos apartamentos privados do rei estão abertos ao público como um museu intrigante, repleto de uma coleção eclética de fotos, tapeçarias e presentes que foram presenteados aos presidentes do Egito por visitantes ilustres.

O centro do Cairo é um lugar que pode ser explorado com facilidade a pé, desde que você esteja disposto a navegar pelo tráfego enquanto atravessa as ruas movimentadas. À medida que você caminha, permita-se ser transportado para uma época de elegância e esplendor, em que a arquitetura da cidade refletia um período de grandeza e transformação.

21. Explorando os Vestígios da Antiga Tanis

Uma emocionante viagem de um dia a Tanis o levará ao nordeste da região do Delta do Nilo, onde os restos da antiga capital dos reis tanitas das 21ª e 22ª dinastias estão parcialmente enterrados sob o cume das colinas. Esta cidade histórica é conhecida por sua rica história e também como o local fictício onde Indiana Jones encontrou a Arca da Aliança no filme clássico “Os Caçadores da Arca Perdida”.

Embora o enredo do filme não se relacione com o sítio arqueológico real, Tanis permaneceu “perdida” por séculos até que, em 1939, trabalhos arqueológicos finalmente identificaram o local como a cidade histórica. Ao explorar o local, você encontrará restos escavados que não foram reconstruídos como em outros locais do Egito Antigo. Essas ruínas oferecem um fascinante vislumbre do passado, especialmente para aqueles com interesse arqueológico.

Os restos do templo são predominantemente ruínas, com grandes pedaços de alvenaria e estátuas espalhados pelo local. A necrópole real também é um destaque, com seus túmulos vazios e os tesouros de joias encontrados aqui agora exibidos em uma sala dedicada no Museu Egípcio.

Tanis está localizada a cerca de 143 quilômetros ao nordeste do Cairo e é mais bem explorada por meio de um veículo particular. Ao visitar Tanis, você terá a oportunidade de mergulhar na história do antigo Egito e testemunhar os vestígios de uma cidade que desempenhou um papel significativo no passado glorioso do país.

22. Explorando a Antiga Heliópolis e El-Matariya

A antiga Heliópolis, também conhecida como Yuno no antigo Egito e Heliópolis no período grego, é um local de grande significado histórico e espiritual. Embora reste pouco para ser visto nos dias de hoje, o local ainda desperta grande interesse entre entusiastas da arqueologia e da história antiga.

Heliópolis foi uma das cidades mais antigas do Egito e desempenhou um papel central na espiritualidade egípcia durante o Reino Antigo. Infelizmente, o Templo de Re-Harakhty, que já existiu aqui, não passa de uma lembrança, já que a maioria das pedras foi reutilizada ao longo dos séculos na construção do Cairo.

Hoje, apenas um obelisco solitário de granito vermelho de Assuã permanece, erguendo-se a 20 metros de altura, como um testemunho das grandezas passadas de Heliópolis.

Necrópole de Heliópolis

A cerca de cinco quilômetros a leste do obelisco, você encontrará a Necrópole de Heliópolis, que data dos Reinos Médio e Novo. Essa necrópole revela insights interessantes sobre os costumes funerários do passado, notadamente pela grande quantidade de armas encontradas como oferendas funerárias.

Próxima a Heliópolis, a cerca de 13 quilômetros a nordeste do centro do Cairo, está a Igreja El-Matariya, conhecida por abrigar a chamada Árvore da Virgem. A tradição local diz que a Virgem Maria e o menino Jesus descansaram sob uma árvore nesse local durante sua fuga para o Egito. De acordo com a lenda, o menino Jesus milagrosamente criou a fonte que rega o pequeno jardim onde a árvore está localizada. A água da nascente é doce, ao contrário da água ligeiramente salobra de outras nascentes da área.

Essa lenda está ligada a um culto mais antigo, uma vez que os antigos egípcios veneravam uma árvore em Heliópolis sob a qual acreditavam que Ísis havia amamentado o menino Hórus. A visita a esses locais proporciona uma janela para a interseção das crenças e culturas antigas, bem como a oportunidade de explorar vestígios arqueológicos que testemunham a importância histórica de Heliópolis.

## 23. Cairo, Egito – Gráfico climático

Conclusão

Em resumo, explorar o Cairo e seus arredores é uma jornada fascinante pela história e cultura do Egito. Desde as majestosas pirâmides de Gizé até os bairros históricos do Cairo, passando por museus repletos de artefatos valiosos e mesquitas antigas, de fato, há uma grande riqueza de experiências para os visitantes.

Seja como for, você pode começar sua jornada nas Pirâmides de Gizé, maravilhando-se com a Grande Pirâmide e explorando a Esfinge. Em seguida, pode explorar a antiga necrópole de Saqqara e Dahshur, descobrindo túmulos e monumentos impressionantes. O Museu Nacional das Civilizações Egípcias é o lar das famosas múmias reais, proporcionando uma visão única da história do Egito.

Não deixe de fazer compras no labirinto de Khan el-Khalili, onde você encontrará uma variedade de produtos tradicionais. A Cidadela do Cairo oferece vistas panorâmicas da cidade, e a Mesquita do Sultão Hassan e a Mesquita Ibn Tulun exibem arquitetura impressionante.

Além disso, você pode explorar o Museu de Arte Islâmica, passear pelos bairros históricos do Cairo, como Al-Muizz li-Din Allah Street, e relaxar no Parque Al-Azhar. Uma viagem de um dia a lugares como Al-Fayoum, Tanis e Heliópolis oferecem uma perspectiva mais profunda da história e da vida cotidiana do Egito.

De fato, cada local que você visitar no Cairo contribuirá para a compreensão da rica herança cultural do país, desde os tempos antigos até os dias atuais. Portanto, ao seguir essas sugestões de lugares para visitar, você estará embarcando em uma jornada incrível de descoberta e apreciação do Egito e sua história fascinante.

Outros conteúdos na categoria África

Faça seu comentário

− 4 = 1